terça-feira, 19 de julho de 2011

Como o teu olhar

Olhei para o céu,
Vi o sol a brilhar
Quase tão brilhante
Como o teu olhar.

Olhei duma duna
O sereno mar
Imenso e azul
Como o teu olhar.

Olhei para as árvores
Ao vento a bailar.
Tinham tanta graça
Como o teu olhar.

Olhei os verdes campos,
A erva a grassar
E as flores eram lindas
Como o teu olhar.

Olhei o meigo gado
O pasto a pastar
Tão manso e tão calmo
Como o teu olhar.

Olhei na seara
O trigo a ondular,
Era um manto d'oiro
Como o teu olhar.

Olhei os maduros
Frutos do pomar.
Eram tantas cores
Como o teu olhar.

Olhei os passarinhos
Em coro a piar.
Bela era a harmonia
Como o teu olhar.

Olhei grandes peixes
Na água a nadar.
Traziam frescura
Como o teu olhar.

Olhei a brancura
Da neve, ao luar,
Tão alva, tão pura
Como o teu olhar.

Olhei a cidade
Com gente a passar.
S'enchia de vida
Como o teu olhar.

Olhei os monumentos
A história a contar.
São mestres dos tempos
Como o teu olhar.

Olhei as usinas
Sempre a fabricar,
Teimosas meninas
Como o teu olhar.

Olhei preciosas
Pedras de encantar.
Tinham tanto encanto
Como o teu olhar.

Olhei uma criança
Na rua a brincar
Cheia de esperança
Como o teu olhar.

1 comentário:

maria belem disse...

Lindo este poema, Sérgio.
Como tens passado?
Um grande abraço
Júlia