segunda-feira, 2 de abril de 2012

À noite

À noite púrpura queda e calma
Escuto o silêncio ao luar.
Traz consigo dúvidas à alma
Das certezas do dia que tarda a clarar.

Como uma pérola negra de azeviche
Esconde no escuro terno encanto
E somente ostenta um luto triste
Porque se enfeita com um negro manto.

Uivos cavos ecoam ao relento
Como lamúrias da morte e do além.
Serão solitários tormentos de alguém?

São ténues e tímidos segredos do vento
Que trazem, do sol, na brisa, o calor
Entoando, à noitinha, um hino de amor.

1 comentário:

maria belem disse...

Belíssimo!
Há muito tempo que não passava por cá.
Como vai a vida?
Abraço
Júlia