terça-feira, 1 de setembro de 2009

Sabor a nostalgia

Crianças a recriar lembranças.
Lembranças do passado, do meu.
O futuro é delas, que lhes trará?
A morte é certa, a sorte incerta,
A vida é bela, o amor desperta
A alma de viver em paz.
O que virá, virá! O que será, será!

O mundo gira, o vento sopra
O sol brilha, a nascente brota,
O rio corre, o mar acolhe,
A ave voa, o peixe nada
O sorriso vem nos lábios e na face,
O abraço vem da alma como a saudade.
A paz é estar certo disto.

No tempo vindouro, outras virão
Com futuros mais longínquos,
Outros futuros tão distantes
Daquilo que o meu passado foi.
O fim é para cada um de nós...
Quando chega a hora
E a vida nos deixa uma vez.

1 comentário:

Um Olhar disse...

Gostei imenso do poema. Começa de forma forte e prende até ao fim... E o fim... um mergulhar na luz da vida... Poesia!

Bjo
Fatima