segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Acordo

Escuto a calma brisa suave de outono.
Oiço sussurros da erva fria na manhã
Caindo-me o fresco orvalho a meio sono
Na fronte fragrância a laranja e romã.
Escuto porque o dia raia.
Oiço o chilrear dos pardais ladinos
Na árvore que ao fundo baila
Uma dança eloquente de paladinos.
Escuto porque o dia vem.
Oiço o deslizar da madrugada
Lentamente muito além
Seguindo a poente a noite passada.
Comigo fica uma raio de sol
Espreitando a translúcida janela
Corando em várias cores o lençol
Que me cobre em cambraia ou flanela.
Acordo com a alegria de um petiz
Como uma rosa a desabrochar no jardim,
Jardim meu, floral onde sou feliz
Com o pensamento a deleitar-se em mim.

1 comentário:

Um Olhar disse...

Um poema é sempre assim desenha corpos, paisagens, e sentimentos...sem fim!

Bjo
Fatima