segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

O porco do pardieiro

Corria nú pelo pinhal
O porco do pardieiro
Fugia doutro animal
Sempre à volta dum pinheiro.

Dava grunhos de aflição
O porco que ia nú
Levando sovas no lombo
E mordidelas no cú.

Oinc! Oinc! Oinc! Lá ia o porco
A bulir, parecia um doido.
Dava corda ao presunto
P'ra poder salvar o coiro.

1 comentário:

Um Olhar disse...

É muito bonito o que fazes com as palavras.

Bjo
Fatima